Escolha uma Página

Se você é um lojista, com certeza já deve ter ouvido falar em antifraude. Mas o que é e por que você precisa deles?

As vendas online podem ajudar a alavancar seu negócio e aumentar o giro do seu estoque. Assim, é natural que mesmo as lojas físicas migrem para operações no mundo virtual e adotem o modelo de e-commerce. Com isso, é necessário que haja muito cuidado com um dos principais vilões do e-commerce, as fraudes.

 

Por que acontecem as fraudes?

 

As fraudes acontecem devido a uma grande quantidade de vazamento de informações. Existem hackers especializados em roubos de dados pessoais na internet para efetuar estes tipos de golpes. Eles roubam as informações de clientes legítimos (nome, CPF, endereço, dados dos cartões…) e as usam para fazer compras online.

No mundo físico, o cliente deve inserir sua senha, que é autenticada em uma maquininha (POS), para confirmar uma compra. No mundo virtual, essa senha é substituída pelo CVV (código de verificação), que são os 3 números atrás do cartão. No entanto, o CVV também pode ser roubado e, por isso, as fraudes são mais comuns em compras virtuais. Identificar  se o comprador é, de fato, o verdadeiro portador do cartão é um desafio para muitos lojistas.

Embora a principal vítima seja a pessoa que teve seus dados roubados, o lojista também sai perdendo com as fraudes. Isso acontece porque quando um cliente não reconhece uma compra, o lojista sofre um chargeback.

 

O que é um chargeback?

 

Chargeback é o nome que o mercado de venda online deu para a reversão de uma venda feita por cartões. Um cliente fraudado pode acionar o banco informando o não reconhecimento da compra, e a loja deverá devolver o valor total do pedido. Esta devolução de dinheiro é o que chamamos de chargeback e pode acontecer por vários motivos. O cliente pode ter tido o cartão roubado, os dados clonados ou o fraudador pode usar os próprios dados e simular uma fraude. Em muitos casos, o produto já foi entregue e o lojista perde o produto e o dinheiro da venda. Em todos os casos, o lojista é lesado e tem que arcar com todos os custos da fraude.

 

Quem é o alvo?

 

Os sites que vendem produtos que são facilmente comercializados são os maiores alvos. Eletrônicos são geralmente os mais procurados neste tipo de fraude. A facilidade de revenda desses produtos e altos preços geram um rápido retorno financeiro para o fraudador.

 

Como posso me prevenir dessas fraudes?

 

Existem formas práticas que ajudam o lojista a se resguardar do chargeback, uma delas é feita no envio da mercadoria. O lojista pode solicitar o envio com “Mão Própria”, serviço que entrega a mercadoria somente ao próprio destinatário. Baseado nestes serviços, o lojista pode provar quem foi o destinatário da mercadoria e se livrar de um chargeback fraudulento.

Contudo, a melhor forma de se livrar de uma fraude é evitar que ela aconteça. Nesse caso, é necessário utilizar um serviço de validação de antifraude como a ClearSale.

 

Afinal, como funciona o antifraude?

 

Em uma empresa que efetua a análise de fraude, são efetuadas diversas validações com os dados enviados. Cada empresa tem seu próprio sistema, então, todo o processo pode variar de acordo com cada antifraude.

Existem dois fluxos de análise de fraude, a análise automática e a análise manual:

Análise Automática: São efetuadas algumas rotinas de verificação como análise dos dados do comprador, do cartão de crédito e, em alguns casos, até dos dados do carrinho de compras e da loja que está vendendo os produtos.

Análise Manual: Geralmente, esse processo é baseado em uma análise visual dos dados e na confirmação do comprador. Essa confirmação pode ser feita até via telefone.

De uma forma genérica, o antifraude analisa os dados do comprador, redes sociais, o valor da compra, a localização e, muito importante, o perfil de compra do consumidor. O cruzamento destes dados vão indicar se um cliente é legítimo ou não.

 

E como funciona a prevenção de fraude na MundiPagg?

 

Na MundiPagg existem vários processos que vão ajudar o lojista na análise de fraude. O lojista precisa apenas enviar os dados do pedido, mediante uma integração. A partir daí, esses dados são tratados em um processo completamente automatizado. Vou detalhar esse processo:

Depois do envio dos dados do cliente pelo lojista, a MundiPagg verifica se o cartão dele tem o saldo necessário para processar a compra. Esse processo se chama autorização, onde é feita a reserva do saldo no cartão do cliente para uma posterior captura. Assim, garantimos que a análise não vai ser feita em vão e que o lojista não vai investir recursos sem a garantia de conseguir capturar a transação.

Após a autorização, faz-se o roteamento para o sistema de análise de fraude, seguida da liquidação da transação para captura ou cancelamento. Assim, o lojista não precisa se preocupar em efetuar outra requisição para esse processo.

Em seguida, o lojista será notificado sobre a finalização do processo. Dessa forma, o lojista faz o envio dos dados do cliente e precisa apenas esperar a notificação com o status final da transação para prosseguir com o seu fluxo interno.

Um dado interessante é que todo esse processo é completamente transparente para o cliente final pois, se existir a suspeita de uma fraude, o saldo reservado do cartão será devolvido e essa operação não irá aparecer na fatura do cartão do cliente final.

Com essas ferramentas, o lojista pode focar no que interessa, que é vender cada vez mais e com o menor risco possível em suas operações.

Quer receber as novidades de e-commerce em primeira mão?

x