Escolha uma Página

Todo empreendedor que deseja fazer o seu e-commerce crescer precisa saber, antes de mais nada, a importância de contar com um bom sistema de pagamento. No entanto, chegar a uma conclusão de qual é a melhor solução para o seu negócio é uma dificuldade de muitos, e que normalmente está associada à falta de conhecimento sobre o assunto.

Pensando nisso, elaboramos este artigo para esclarecer as vantagens e desvantagens no que diz respeito aos métodos de pagamento. Aqui, você verá as principais características de cada um deles e, portanto, saberá como escolher o melhor sistema para sua a loja. Continue a leitura e confira!

Subadquirentes

Para começar, falaremos dos intermediadores de pagamento, também conhecidos por subadquirentes. Como o nome já sugere, esse tipo de sistema se refere às empresas que fazem o intermédio das transações.

Nesse caso, não há a necessidade de se afiliar aos bancos e operadoras de cartão, pois o próprio intermediador é que se responsabiliza pela aprovação dos pagamentos.

Entre os subadquirentes mais comuns estão:

  • Paypal;
  • PagSeguro;
  • Braspag;
  • PayU (antigo Bcash).

Vantagens

Veremos agora, de um modo geral, quais são as vantagens por trás desse tipo de sistema:

  • geralmente não há custo de implantação;
  • a segurança das informações e a análise antifraude é responsabilidade do intermediador;
  • há diferentes formas de pagamento (cartões de crédito, boleto bancário, débito em conta etc).

Além disso, outra característica dos subadquirentes é sua política de proteção ao consumidor, que garante o reembolso do dinheiro em caso do recebimento de um produto danificado, por exemplo. Em outras palavras, essas soluções disponibilizam um serviço de “resolução de conflitos”.

Vale ressaltar que cada um possui suas próprias particularidades, mas como um todo, essas são as vantagens dos intermediadores de pagamento.

Desvantagens

Em relação às desvantagens, é preciso destacar as seguintes:

  • taxas de processamento relativamente altas (podem variar de acordo com a forma de pagamento);
  • para finalizar a compra, o cliente será direcionado para uma página externa do próprio intermediador, o que pode gerar desconfiança para o cliente;
  • controle rigoroso para aprovação dos pedidos, o que muitas vezes resulta na perda de vendas que normalmente seriam legitimadas.

A respeito das taxas de processamento, os números podem chegar a 8% sobre o valor de venda: se você optar por receber à vista um pagamento em que o cliente o fez de forma parcelada, as taxas podem dobrar se comparadas ao índice normal.

Mesmo assim, esse sistema de pagamento é bastante indicado para quem está iniciando as atividades no e-commerce, principalmente por não ter um custo de adesão. Além disso, pode ser uma opção mais simples, uma vez que o cliente só precisa se comunicar com esse sistema.

Gateway de pagamento

Para os e-commerces que já estão mais amadurecidos no mercado, um gateway de pagamento é certamente a melhor opção. Sabe aquelas tradicionais “maquininhas de cartão” que tanto se encontra nas lojas físicas? Pois então, essa solução tem exatamente a mesma função para as lojas virtuais.

Diferentemente dos intermediadores, para utilizar esse sistema será preciso se afiliar aos bancos e operadoras de cartão.

Apenas para que você compreenda melhor, um gateway de pagamento é uma interface que faz uma ponte tecnológica entre os lojistas e os agentes financeiros, executando todos os procedimentos que se relacionam às vendas, incluindo a gestão das informações.

Na prática, o gateway verifica com os adquirentes, como Cielo, Rede e Stone, se o cliente que solicitou a compra possui saldo suficiente para efetuá-la: caso sim, a venda será autorizada. Esse processo é seguro e imperceptível para o cliente.

Vantagens

Mas, você deve estar se perguntando, quais são as vantagens desse sistema de pagamento, certo? Então, vamos lá!

  • maior controle sobre as suas vendas, já que você terá acesso a todas as informações possíveis em um painel financeiro;
  • não é necessário realizar o cadastro em outro site (intermediador) para finalizar uma compra: tudo ocorre na sua página de checkout;
  • é possível conseguir o adiantamento dos valores que você tem a receber perante aos adquirentes, o que por si só já ajuda em um eventual problema de fluxo de caixa, por exemplo;
  • você deixará de perder vendas pelos critérios de análise dos subadquirentes: o simples fato de o cliente estar com os dados divergentes pode ser um motivo para a não aprovação de uma compra;
  • menores taxas de processamento, as quais podem ser negociadas de acordo com cada caso (normalmente);
  • única integração com os adquirentes.

Desvantagens

Como nem tudo é perfeito, os gateways de pagamento também possuem algumas desvantagens:

  • será preciso fazer o cadastro nos bancos e operadoras de cartão, um processo que pode ser demorado;
  • a análise de fraudes é de sua responsabilidade, você precisará contratar um antifraude;
  • você terá tarifas distintas a pagar: aos agentes financeiros e ao fornecedor da solução;
  • você pode ter gastos em relação à implantação/ativação do gateway;
  • em alguns casos, terá de pagar taxas fixas mensais ou anuais.

Apesar disso, o uso desse sistema de pagamento ainda é o mais recomendado para lojas com maior fluxo de vendas, especialmente para quem já está mais ambientado ao mercado de comércio eletrônico.

Integração direta com o adquirente

Por último, é possível também optar por fazer a integração direta com o adquirente, ou seja, com as operadoras de cartão. No entanto, esse sistema é aconselhado apenas para os grandes players do mercado, até porque, os custos de implantação e manutenção são altos, exigindo, inclusive, uma equipe interna de suporte.

De modo breve, as vantagens aqui se resumem às taxas menores de processamento, e as desvantagens são semelhantes aos gateways, com o detalhe do alto custo de implantação, como acabamos de mencionar. Além disso, essa opção requer maior cuidado no controle dos sistemas. Com a integração direta com os adquirentes, você terá que cuidar da integração de cada adquirente individualmente, enquanto o gateway se responsabiliza por todo o processo de transações com uma única integração com os adquirentes.

Enfim, esse sistema de pagamento é somente para quem está totalmente solidificado, com expressivas movimentações em termos de venda. A estrutura do negócio, nesse caso, é de extrema importância.

Para concluir, não se esqueça de avaliar o custo-benefício dos métodos existentes, assim como as demandas do seu e-commerce. Essa soma de informações ajudarão você a entender qual é a melhor opção para o momento.

Outro ponto que vale ressaltar é que não é preciso abrir mão de um sistema de pagamento para implantar outro. Por exemplo: um gateway em conjunto com os intermediadores darão mais opções aos clientes, algo a ser considerado.

Se você ainda está em dúvidas e deseja saber mais sobre os meios de pagamento para sua loja virtual, entre em contato conosco, será um prazer ajudar!

Quer receber as novidades de e-commerce em primeira mão?

x