O e-commerce brasileiro está em grande crescimento. A cada ano, os números de vendas aumentam, e as previsões são muito positivas. Os números também crescem quando consideramos as vendas de fim de ano.

Em 2016, o faturamento anual no e-commerce foi de R$ 53,4 bilhões, apresentando crescimento de 11% em relação a 2015, de acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

Diante desse quadro, que vai na contramão da crise econômica, qual é a expectativa para o Natal de 2017? As estimativas para as vendas on-line são boas, a notar pelo resultado da Black Friday.

Então, continue a leitura do post para conhecer melhor as oportunidades para as vendas de fim de ano em e-commerce!

Observe a linha de crescimento do e-commerce no fim de ano

Segundo a consultoria Ebit (especializada em informações de comércio eletrônico), os números para o e-commerce no Natal apresentaram um crescimento de 3,8% no ano de 2016 em relação a 2015, totalizando R$ 7,7 bilhões.

Em 2015, o faturamento conquistado só na Black Friday representou um total de 25% nas vendas do Natal, atingindo R$ 1,9 bi.

Voltando a 2016, ainda que o número total de pedidos no período tenha sido menor em relação ao ano anterior, o ticket médio foi elevado em 10,3%. Se em 2015 era de R$ 417, em 2016 subiu para R$ 463, somando 16,6 milhões de encomendas.

Entende-se que as vendas esquentaram bastante no período de Black Friday no ano passado, mas acabaram esfriando nas semanas seguintes e mais próximas do Natal. Isso se deu devido à incerteza da população em relação a economia do país.

Mesmo assim, novos consumidores entraram no cenário do comércio eletrônico de 2015 para cá, independentemente da crise. Em 2016, cerca de 1,5 milhão de pessoas realizou compras em lojas virtuais pela primeira vez. Tudo isso contribuiu para o crescimento do setor nesse período.

Acredita-se que o rumo do e-commerce vá no sentido contrário ao do varejo físico, que apresenta quedas nas vendas.

As categorias em destaque

Moda e acessórios foi a categoria de maior destaque no e-commerce em 2014, atingindo 18% do total, acompanhada de cosméticos, perfumaria e saúde, com 16%. No ano de 2015, as cinco categorias mais vendidas foram: eletrodomésticos, moda e acessórios, telefonia/celulares, livros e assinaturas de revistas, cosméticos e perfumaria/cuidados pessoais/saúde.

No ano passado, os líderes em números de pedido foram: moda e acessórios, seguido de cosméticos, ao lado de perfumaria e saúde, eletrodomésticos, telefonia e celulares e, por fim, informática. Devemos considerar, ainda, a expansão em relação ao número de compras realizadas em aparelhos móveis. O faturamento subiu em 82%, e o número de pedidos bateu os 95%.

Não podemos dizer que apenas as vendas de bens de consumo direto cresceram com o universo virtual. O sucesso do e-commerce engloba também setores como o de turismo, venda de ingressos para shows e teatro e os marketplaces para venda de itens usados, além de produtos tão diversos como imóveis e artesanato.

O setor de turismo on-line, por exemplo, cresceu em 73%, superando o mercado off-line.

Veja um comparativo com outros países

De 2013 para 2014, o período foi excelente para o comércio on-line brasileiro, chegando a superar alguns países da Europa. Os consumidores começaram dezembro com o índice de compras elevado, impulsionado pela Black Friday no fim de novembro.

No ranking fornecido pela Ebit, o Brasil se apresenta como o único país da América Latina entre os 10 mercados mundiais no e-commerce, de acordo com dados publicados pelo site Emarketer.

As estratégias do frete grátis e do pagamento parcelado são o que diferencia o Brasil dos demais. O parcelamento não acontece com a mesma frequência no exterior. E vale dizer que 35% das compras foram entregues sem cobrança adicional de frete no primeiro semestre de 2017.

O topo das vendas no e-commerce mundial, com estimativa para 2018, é da China, seguida pelos Estados Unidos, Reino Unido e Japão. O Brasil se aproxima dos números do Canadá e da Rússia.

Conheça as oportunidades para o Natal

O Natal é o período principal quando o assunto é varejo e e-commerce. No primeiro semestre de 2017, o faturamento do e-commerce foi de R$ 21 bilhões, totalizando 50,3 milhões de pedidos, de acordo com dados fornecidos pelo site O Economista. O crescimento foi de 7,5%.

Diante desses números, a estimativa para o fim de ano é um crescimento entre 12 e 15% do segundo semestre, totalizando cerca de R$ 48,8 bilhões no faturamento anual. A expectativa é de que a Black Friday e o Natal sejam as datas-chave no calendário para esse crescimento.

Esses números são muito significativos, especialmente porque a estimativa de crescimento para o varejo em 2017 é de 1,6%.

A percepção do consumidor em relação ao e-commerce é de muitas vantagens. Tanto pelas formas de pagamento facilitadas quanto pelas possibilidades de descontos, a comodidade e, ainda, a chance de encontrar produtos que não são facilmente encontrados nas lojas físicas.

Os sites de busca e de comparação de preços ajudam nesse posicionamento. O e-commerce é visto como um canal de vendas diferenciado.

Prepare-se para atender bem às demandas

Para não ficar de fora desse crescimento, seu e-commerce deve estar bem preparado para atender aos consumidores nos mais altos picos de vendas. Aproveite algumas dicas:

Invista no mobile

Com as vendas sendo realizadas por aparelhos mobile como smartphones, é interesse investir no design responsivo da sua loja. Esse tipo de layout faz com que a página desktop esteja corretamente alinhada na exibição em um tablet ou smartphone.

Esse tipo de design otimiza a aparência do site, facilitando as buscas e a compreensão do layout pelo usuário, que não ficará perdido sem encontrar informações que não aparecem devido à modificação de tela. Sempre invista na infraestrutura do seu site para receber adequadamente os acessos e facilitar a navegação.

Tenha uma boa estratégia de entrega

Se o aumento de vendas acontece, as entregas precisam ser bem organizadas. O sistema de logística precisa ser atualizado para dar conta da demanda. Tudo deve ser feito em tempo e com o menor custo possível.

Faça previsões otimistas do aumento de vendas e cuide bem do seu estoque, assim você evita momentos de turbulência. Garanta que a loja não fique desabastecida durante o período. Antecipe-se em acordos com fornecedores confiáveis e seja honesto projetando o tempo de entrega e os custos de frete para o cliente.

Facilite as formas de pagamento

Todo mundo quer comprar no fim de ano, mas, ao mesmo tempo, todos desejam economizar se possível. Aposte em descontos e condições especiais ampliando as possibilidades de pagamento no seu e-commerce. Forneça segurança nos dados e proteção contra fraudes.

Não esqueça de proporcionar encantamento para que os clientes fiquem bastante satisfeitos e que as vendas de fim de ano cresçam e aumentem no ano que vem.

Gostou das dicas e informações deste post? Então, acompanhe nossos artigos e nossas redes sociais para ver mais dicas!

Simone Chaves

Simone Chaves

Formada em Comunicação Social - Jornalismo pela UFRRJ, atua como Analista de Marketing na MundiPagg.
Simone Chaves

Quer receber as novidades de e-commerce em primeira mão?

x