Escolha uma Página

O boleto é a segunda forma de pagamento mais utilizada no Brasil, ficando atrás, apenas, dos cartões de crédito. De acordo com os dados da Polícia Civil, as fraudes em boletos bancários têm crescido em um ritmo acelerado. Segundo a FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos), foram registrados R$ 383 milhões em fraudes em boletos bancários só em 2016.

As fraudes podem acontecer de várias formas:

MALWARE

Quando uma pessoa abre um link com o malware, o vírus se instala em seu computador. Uma vez instalado, o malware monitora o navegador e percebe quando o usuário está fazendo pagamentos com boletos. O vírus intercepta o boleto e troca seus dados.

Geralmente, os fraudadores trocam as informações da linha digitável e, por isso, a data de vencimento, o valor e outras informações do boleto são alteradas sem estar visível para o cliente. Dessa forma, o boleto falso é pago e o dinheiro vai para a conta do fraudador ao invés do e-commerce.

LOJA FALSA

Esse golpe acontece quando um fraudador copia o site de um e-commerce legítimo e usa para gerar vendas falsas. Quando um usuário entra na loja fraudada, ele encontra páginas muito semelhantes às originais. O cliente acredita que está em um site seguro e não percebe a URL maliciosa. Ao efetuar o pagamento, o cliente está, na verdade, enviando dinheiro para a conta do fraudador e nunca vai receber seu produto.

BOLETOS REPASSADOS

Esse golpe é um pouco mais elaborado. Digamos que um fraudador compre uma TV de R$ 2.000 e anuncie na internet a venda de uma geladeira de R$ 2.000. Quando uma pessoa for pagar a geladeira, o fraudador enviará o boleto de R$ 2.000 da TV. O boleto da TV é pago pela pessoa interessada pela geladeira. No final, a TV chega na casa do fraudador e o interessado pela geladeira, que pagou os R$ 2.000, não recebe sua mercadoria.

 

A fraudes em boletos podem ser realizados com ou sem alteração visível nos números. No entanto, os maiores golpes acontecem através de malwares que conseguem mais vítimas e é mais difícil de serem identificados.

PROTEÇÃO

Pensando em proteger o consumidor contra essa fraude, levantamos algumas dicas que podem evitar que um boleto fraudado seja pago. Antes de pagar qualquer boleto bancário ele deve seguir as orientações abaixo:

  • Verificar os dados impressos:
    • Número do banco (A lista dos códigos de cada banco está disponível no site da Febraban);
    • Se o número do código de barra corresponde ao mesmo número da parte de cima da fatura;
    • CNPJ da empresa emissora do boleto;
    • Data de vencimento;
    • Os dados do beneficiário;
    • O valor cobrado corresponde ao valor da compra.
  • Compare o boleto recebido com os anteriores.
  • Mantenha o antivírus atualizado.
  • Evite fazer compras e digitar informações sensíveis quando o computador ou dispositivo móvel estiver conectado a uma rede Wi-Fi não segura.

 

De forma geral, a prevenção contra fraudes em boletos depende muito mais do cliente, que deve evitar clicar em links e e-mails desconhecidos, do que do lojista. Mesmo assim, é importante que a loja informe sobre o perigo de um computador infectado para o pagamento de boletos. Outras dicas que os lojistas devem seguir são:

  • Usar mecanismos de validação. Para quem vende muito via boleto, seria interessante desenvolver uma funcionalidade que confere os números e diz se o documento é válido ou não.
  • Trocar a linha digitável do boleto por uma imagem ao invés de ser um campo digitável. Isso dificulta a ação dos fraudadores que não conseguem trocar os números facilmente.

 

Veja aqui para entender melhor como funciona um boleto bancário.

 

 

 

Bruna Medeiros

Bruna Medeiros

Formada em Comunicação Social pela ESPM, é analista de Marketing da MundiPagg.
Bruna Medeiros